Missão - Nathaniel Winchester - Entre águias e aranhas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Missão - Nathaniel Winchester - Entre águias e aranhas

Mensagem  Thanatos em Qua Out 03, 2012 10:13 am

Chão negro como ébano, árvores secas e sem vida, um céu vermelho incandescente e a linda sinfonia de gritos e gemidos das mais diversas almas, humanas ou não. Esse é o submundo, reino de Hades. Em meio ao vermelho do céu, formado por gases em combustão presos pela abóbada de pedra negra, podemos ver uma sombra. Quatro asas negras balançam no céu, em disparada. Nada mais é do que um garoto. Pálido e com a expressão séria, ele só tem olhos para uma das torres do magnífico castelo do rei dos mortos. A própria torre já é do tamanho de um dos maiores castelos feitos pelos meros mortais da superfície. Abaixando as asas e sua altura de vôo, saindo do calor intenso das labaredas celestes, ele desce até a mais ampla janela, e lá recolhe suas penas. Á sua frente, um escritório. Uma sala ampla, redonda, ao melhor estilo gótico, com cabeças de animais e criaturas bizarras - claro, mortas - penduradas nas paredes de pedra, candelabros e um lustre que queimam em labaredas roxas, tapeçarias variadas e uma única mesa bem no centro da sala.

- Outra alma mortal se revelou para seu domínio, Thanatos.

O que até o momento não podia ser visto se revelou. Uma silhueta magra e, de certo modo, alta, se sentava na escrivaninha, pingando uma pena em tinta e escrevendo no que pareciam ser dezenas de pergaminhos, todos empilhados à mesa. Mesmo com as centenas que se enfiavam nas prateleiras de estantes ao redor da sala, Thanatos não parecia entediado ou frustrado. Ele parou a pena no tinteiro, juntou as mãos e encarou o jovem com seus olhos, totalmente pretos. Um sorriso sarcástico enfeitava seu rosto enquanto ele se levantava e ia até uma de suas estantes.

- Ora, ora, meu caro Andrew. Parece que você terá mais um companheiro. É uma pena você ter tantas... - Ele agarrava um dos pergaminhos, abrindo-o. O papel rolava pelo chão, não parecendo acabar. No cabeçalho, podia-se ler um nome: Nathaniel Winchester - ... tarefas... a serem cumpridas. Tenho certeza de que pode, ao menos, convocar a presença do jovem ao encarregado. Já sei até a quem pedir. O garoto já está no acampamento ?

Thanatos não era do tipo que falava demais. Na verdade, Andrew não sabia mais se tudo que ele entendia era realmente escutado, se ele deduzia das expressões faciais de Thanatos ou se o mesmo tinha alguma forma de invadir sua mente e sussurrar por ela. Provavelmente a última opção.

- Sim, já. O encarregado é um ceifador ? Eu dou conta de mais uma tarefa.

- Ah, isso facilita tanto o nosso trabalho. Pegá-los nas ruas de Nova York ou até de outro país é sempre um estorvo. Não, ele não é um ceifador e não, não dá conta de mais uma. Você já tem tantas coisas pra fazer que, se eu tivesse um coração, teria pena. Você e seus dois irmãos, todos seguindo o mesmo destino. Agora vá e entregue pra ele aquela singela carta para chamar sua atenção.

O ceifador apenas assentiu, ainda sério, se curvando e retirando-se do aposento. Conforme ele voava, de volta para o céu escarlate e para o superfície, podia jurar ouvir uma grave risada de seu mestre.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O acampamento era um bom lugar para fugir de seus problemas. Era o que pensava Nathaniel até a última semana. Desde o dia em que Grover o trouxe para o acampamento meio-sangue, Nate nunca mais havia pensado em sua última família adotiva. Também, o garoto não tinha lá essa consideração ou sentimento todo por eles. Os assassinou sem pena alguma em um surto de abandono, sentimento que o poluía o coração. Foi justamente esse sentimento e essa culpa que chamaram a atenção de Andrew, quando os dois se conheceram. Ceifadores sentem, vêem, absorvem essa energia negra que emana das pessoas. A nuvem dessa energia que acompanhava Nathan era o suficiente para que ele fizesse uso de seu poder. É assim que nascem os ceifadores. Eles nascem do próprio mundo, da própria morte interior que cada um sente.

Naquela bela noite Nathan teve um sonho. Era, na verdade, uma lembrança, não fosse por um único detalhe. Após acordar suado e ofegante na noite, com a vontade selvagem de matar todos naquela casa e de efetivamente realizar todo o trabalho sanguinário, ele corria para a porta. Cada passo de Nathan deixava a porta mais longe. Quanto mais ele corria, parecia que ele fazia correr uma esteira que distanciava a saída, aumentando o corredor de forma sobrenatural. Quando a porta nada mais era do que um ponto, ela se abriu. De dentro dela vinha uma chama roxa e preta. Ela se aproximava lentamente pelo que pareciam ser 500 metros até Nathan. Ele podia ouvir o barulho de cascos, a respiração da criatura e o que parecia ser o grito de seus últimos pais e irmãs adotivos, e estava apavorado. Pela primeira vez, parecia sentir o medo que causava nos outros. Tentou se virar e voltar pra sala, mas nada restava atrás dele a não ser uma parede de pedra... negra. Quando voltou seu olhar para a porta, era tarde demais.

À sua frente, o que parecia ser uma versão alterada de um centauro. Ele emanava chamas negras e roxas, transformando o corredor atrás dele em um tipo de vórtice de fumaça densa. Á sua frente, apenas chamas. Nathan sentia o calor infernal, doendo como nunca antes havia sentido, mesmo que seu corpo parecesse intacto. Os olhos da criatura encontravam o de Nathan e a dor sumiu. O barulho das chamas sumiu. Tudo havia sumido. Tudo que Nathan via era os olhos da criatura e tudo que ele ouvia era sua respiração e um sussurro...

Pesadelo:

"Nós sabemos... Nós o achamos..."

Nathan acordou suado, com os olhos arregalados, uma dor de cabeça e as mãos tremendo. Estava no chalé de Phobos. Seus irmãos dormiam profundamente. "Foi só um sonho", pensava o filho de Phobos. "Agora posso relaxar e voltar a dormir. Pesadelo estúpido." devia ser mais ou menos o que passava pela cabeça do garoto, até ele ouvir um barulho de alguém batendo à sua porta. Ele ignorou e se cobriu com seus lençóis, mas a pessoa não parecia desistir. Quem, afinal, estaria perturbando o chalé inteiro em plena madrugada ? As harpias do acampamento ainda não arrancaram as tripas dele ? De qualquer modo, ninguém além dele parecia escutar o bater na porta....


- O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela. -


Deus da MORTE, da TORTURA e de tudo aquilo que se ESPALHA, VICIA E MATA!
avatar
Thanatos
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 199
Pontos : 229
Data de inscrição : 20/02/2012
Idade : 21

Ficha do personagem
HP:
999999/999999  (999999/999999)
MP:
999999/999999  (999999/999999)
Arsenal:

Ver perfil do usuário http://crashmybrain.deviantart.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão - Nathaniel Winchester - Entre águias e aranhas

Mensagem  Nathaniel A. Winchester em Dom Out 07, 2012 4:22 pm

God Fucking Damnit.. -




Aquilo não podia ser real. Eu estava revivendo o que havia feito na noite em que fugi da última família adotiva, um tempo depois de assassinar cada um brutalmente e sem piedade alguma. O corredor se estreitava, a porta se distanciava cada vez mais de mim, como se algo estivesse me pregando uma peça, e a porta se abriu. Aquele.... Aquele centauro infernal na minha frente, seu fogo infernal roxo, aquelas labaredas emanando de seu corpo, aquilo me machucava, talvez não fisicamente, mas interno. Como se feridas estivessem abrindo meu peito, por dentro, rasgando cada órgão meu. Acho que pela primeira vez, eu estava sentindo o medo, provando o meu próprio veneno, aquele veneno que eu aplicava nos outros sem ao menos querer, e quando eu queria, levava a loucura. Tudo havia desaparecido, mas aquela criatura ainda estava na minha frente, eu podia ver seus olhos brilhando na escuridão, um sussurro e um frio na espinha, era tudo o que eu sentia e ouvia. "Nós sabemos... Nós o achamos." Foi o que eu pude destinguir do sussurro. Talvez eu estivesse delirando, talvez não, e então eu acordei. Meu corpo tremia, como se eu estivesse tendo hipotermia. Meus olhos estavam arregalados, a dor de cabeça me consumia e eu tinha vontade de ir até a enfermaria, mas não deveria ter ninguém lá. Algo batia na porta, e o medo em mim ainda estava ali. Eu tinha muito medo de ir abrir a porta, e ser o monstro de meu pesadelo, mas monstros não podiam entrar no acampamento, a não ser que... Bom, não importa. Meus irmãos não acordavam, como se somente eu ouvisse, então, eu levantei, agarrei o gordão e na outra mão, a espada de titânio, e abri a porta, pronto para dar um golpe certeiro na cabeça de alguém.

Código:
Mals a demora, depressão WINS



avatar
Nathaniel A. Winchester
Filhos de Fobos
Filhos de Fobos

Mensagens : 2
Pontos : 2
Data de inscrição : 29/09/2012

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
MP:
100/100  (100/100)
Arsenal:

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão - Nathaniel Winchester - Entre águias e aranhas

Mensagem  Thanatos em Seg Out 08, 2012 9:08 am

E assim fez Nathaniel. Com a espada em mãos, foi de encontro ao que o esperava do outro lado da porta. Ele tremia, ainda, de medo do pesadelo. Temia que a criatura flamejante roxa o esperasse ali, em frente à sua casa e de seus irmãos para matá-los. Com a mão firme, apesar do medo, ele girou a maçaneta e escancarou a porta de madeira, quase levando as dobradiças embora. Em sua frente, não havia nada. Nada que ameaçasse Nathaniel, nada que continuasse a alimentar seu medo. Somente a colina onde ficava seu chalé, sem mais nada ao redor. Estava tudo na mais perfeita ordem e, assim, o filho de Phobos se acalmou. Esfriou a cabeça com um sorriso irônico. Tinha sido só um pesadelo grande que confundiu sua mente e o fez ouvir coisas, só isso. O garoto já ia guardando a espada quando um corvo pousou à sua frente.

Os olhos do corvo eram vermelhos como sangue e suas penas mais pretas que as sombras ali presentes. Ele encarava Nathaniel sem mover um músculo. A sensação de mal-estar voltava ao garoto, levando à uma ânsia de vômito. Ele sentia um receio estranho, infundado. Era como se ele não tivesse razão alguma pra entrar em pânico mas o fizesse mesmo assim. Conseguiu, enfim, tirar os olhos dos do corvo e fitar outro canto qualquer. Viu que, amarrado na perna da ave, havia um pergaminho. Era pequeno, feito de um papiro claro e velho, amarrado por uma linha vermelha. O garoto não sabia se pegava o papel e o lia, vendo que mensagem haviam mandado, ou se fugia para o mais longe o possível daquela ave. Optou pela primeira alternativa e, ainda sem olhar pros olhos vermelhos da criatura, desfez o nó e abriu o papiro. O corvo, que até o momento parecia ter vida, estava duro. Era como se, mesmo que Nathaniel o mexesse, ele não movesse uma articulação sequer. Assim que o papiro foi retirado, a ave desapareceu, como se nunca estivesse ali, como se alguém tivesse cortado a parte de uma fita de filme onde ele saía voando. Uma hora ele estava, na outra não mais.

Nathaniel abriu o pergaminho. Ele se abriu em dois. Em um, estava um mapa da floresta, levando até uma caverna a qual Nathaniel conhecia, de uma das trilhas feitas com Quiron e os outros campistas. No outro, estava uma mensagem. Estava em inglês e dizia:

PERGAMINHO:


- O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela. -


Deus da MORTE, da TORTURA e de tudo aquilo que se ESPALHA, VICIA E MATA!
avatar
Thanatos
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 199
Pontos : 229
Data de inscrição : 20/02/2012
Idade : 21

Ficha do personagem
HP:
999999/999999  (999999/999999)
MP:
999999/999999  (999999/999999)
Arsenal:

Ver perfil do usuário http://crashmybrain.deviantart.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Missão - Nathaniel Winchester - Entre águias e aranhas

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum